Autor do pedido de impeachment, Bicudo diz que ficou feliz 'em termos'

O jurista Hélio Bicudo, um dos signatários do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, disse nesta quarta-feira (31) que ficou feliz "em termos" com a aprovação do impedimento da presidente, e criticou a decisão dos senadores de não puní-la com a inabilitação para funções públicas.

"Acho que é mais do que o esperado. O inesperado foi conseguir introduzir nesse prisma do impeachment o fato de permitir que a Dilma exerça funções públicas. Isso desnatura completamente o instituto do impeachment", disse Bicudo.  Para o jurista, a medida até certo ponto desclassifica o que é um pedido de impeachment e as suas consequências.

"O impeachment tem um roteiro por onde ele caminha. Você não pode tirar desse roteiro características do afastamento", afirmou.

Bicudo disse que os partidos políiticos interessados deveriam partir para uma ofensiva. "Não tem sentido nenhum você tornar uma presidente da República sem o mandato e permitir que ela exerça funções que são do mandato", afirmou.

Bicudo disse que os partidos deveriam acionar o Supremo Tribunal Federal, embora ache que essas coisas não podem ser judicializadas como estão sendo. "Eu acho que compete ao Senado e à Câmara Federal tomar conhecimento desses deslizes que são praticados sob a cobertura de que a matéria só pode ser decidida pelo Supremo", disse.

Ele disse que vai conversar com os outros juristas que assinaram o pedido de impeachment e ver como continuar.

Trote
Bicudo contou que recebeu um telefonema nesta quarta-feira, mas não acredita que tenha sido do presidente Michel Temer.

"Olha, eu não sei. Eu recebi um telefonema e pensei que fosse trote. Eu estou verificando se não foi. Quis agradecer. Porque, na verdade, o Temer está exercendo a presidência da República depois de um pedido de impeachment redigido por três pessoas. Ele está na presidência da República porque três pessoas do direito e da cidania encontraram um novo caminho para a questão institucional do Brasil", disse Bicudo.

Segundo Bicudo, a ligação resumiu-se a uma troca de cumprimentos.  "Eu não sei se foi ele que ligou ou não. Foi apenas cumprimento de um lado e de outro. Eu não estou seguro de que foi o Michel Temer que me telefonou. Não tenho absolutamente essa certeza. "

"Não estou crendo que esse telefonema tenha partido do presidente. Pode ser que sim,, pode ser que não. Eu não sei se foi ele ou alguém por ele, querendo fazer uma graça, um trote ou algo desse tipo."

Bicudo não considera essa a maior viória de sua vida. "Não considero não [a maior vitória da vida]. Tive muitas outras passagens importantes na minha vida", disse.

Futuro
Bicudo acredita que a situação do país deve melhorar a partir de agora. "A gente tem de ser otimista. Acho que depois dos desmandos, da roubalheira, acho que temos de encontrar um caminho de austeridade e de perspectiva de futuro. Acho que o Temer é um homem preparado. Ele é professor de direito constitucional, tem uma larga experiência na vida pública. Acho que as expectativas sempre existem, vamos ver se elas se concretizam."

Fonte: G1