Além de Maomé, Jesus, Papa e políticos foram capa do "Charlie Hebdo"