Brasil abre 10 pontos, mas não freia a reação da Austrália e perde na estreia

Nem os mais analistas mais otimistas poderiam imaginar um início tão avassalador para o Brasil na estreia da Olimpíada, neste sábado, na Arena da Juventude, em Deodoro, Zona Oeste do Rio. Do outro lado, estava a imponente Austrália, liderada por Penny Taylor, Erin Phillips e Liz Cambage, uma gigante de 2,03m e 98kg. Depois de três semanas fora de combate devido a uma lesão na panturrilha direita, Iziane não se importou com os nomes de peso e voltou com sangue nos olhos, comandando o ataque no primeiro tempo, com 18 pontos. Aos poucos, as australianas reagiram, usando o rápido contra-ataque e a pontaria calibrada nas bolas de três como armas para espantar a zebra. O time comandado por Antonio Carlos Barbosa sentiu a pressão e ficou apático, desperdiçando chances em momentos decisivos. A Austrália, por sua vez, não deu sorte ao azar e venceu por 84 a 66, dando um importante passo rumo ao sexto pódio olímpico consecutivo. Assim, o tabu se mantém. Na história dos Jogos, as brasileiras jamais venceram as adversárias e somam sete derrotas diante das medalhistas de bronze em Londres 2012.

+ O DNA Time Brasil
+ Confira aqui todos os Especiais Olímpicos do GloboEsporte.com
+ Confira a agenda completa da Rio 2016
+ Tudo sobre a Olimpíada em Tempo Real
+ Confira todos os resultados da Rio 2016! Clique e escolha a modalidade

Iziane foi a cestinha da partida, com 25 pontos, sendo responsável ainda por sete rebotes e duas assistências. Clarissa, com 13 rebotes, e Adrianinha, com sete assistências, foram outros destaques do time verde e amarelo. A gigante Cambage, com 20 pontos e 14 rebotes, fez a diferença, assim como os 17 pontos da experiente Penny Taylor, que faz a sua despedida em Olimpíadas na Rio 2016. Estreante nos Jogos, a americana naturalizada Leilani Mitchell anotou outros 20 e também foi fundamental na vitória. O Brasil agora precisa vencer ao menos duas partidas para avançar em quarto lugar do grupo A. Nesta segunda-feira, a seleção volta à quadra para enfrentar o Japão, campeão asiático. Na sequência, encara Belarus, França e Turquia. 

Brasil domina no início

O Brasil entrou em quadra com as experientes Adrianinha, Clarissa, Damiris, Iziane e Érika. A torcida empurrou as locais e vaiou as rivais, na tentativa de desestabilizar as australianas. A gigante Cambage não se importou com o barulho e abriu o placar. As brasileiras entraram nervosas, mas logo mostraram superioridade. Erin Phillips falhou o arremesso, e Adrianinha pegou o rebote e partiu o ataque, dando um passe na medida para Damiris converter com segurança. A defesa e o contra-ataque poderosos do Brasil surpreenderam uma das maiores potências da modalidade. Após uma bola de três de Clarissa, Iziane colocou o país na frente, explodindo os decibéis na arena: 11 a 10. Tudo passou a dar certo para o Brasil, enquanto as australianas cometiam erros incomuns. Cambage tentava tirar o prejuízo, mas Iziane estava inspiradíssima no ataque. A maranhense não errava nada. Adrianinha armava boas jogadas e ainda acertou uma cesta de três para fazer 21 a 12. O primeiro quarto terminou em 24 a 14, depois de mais uma cesta de Iziane, de três, chegando aos 12 pontos. 

Iziane; basquete feminino; olimpíada 2016 (Foto: Divulgação/FIBA)Iziane acelera e foge da marcação de Eruin Phillips. Maranhense foi a cestinha, com 20 pontos (Foto: Divulgação/FIBA)

 

No segundo quarto, as australianas reagiram. Como o Brasil tinha muitas faltas, algumas titulares precisaram sair de quadra. O time sentiu bastante a ausência de Érika e Adrianinha. A Austrália levava muito perigo nos contra-ataques e concentrava as suas jogadas em Cambage, que, aos poucos, ia tirando a vantagem do Brasil. E a diferença que era de 10 pontos caiu para apenas um: 30 a 29. Uma das mulheres de confiança de Barbosa, Palmira apareceu em um momento decisivo e acertou de longe para ampliar: 33 a 29. O jogo ficou lá e cá, com o Brasil sempre liderando, indo para o intervalo na frente: 39 a 35. Iziane foi o maior destaque do primeiro tempo, com 18 pontos e três rebotes. Das oito tentativas de arremesso de dois pontos, ela levou a melhor em sete e não falhou na única vez que arriscou atrás da linha dos três. Do outro lado, Liz Cambage anotou 16 e Mitchell marcou outros nove, sendo as maiores forças da Austrália.

Reação implacável

Brasil x Austrália; basquete feminino; olimpíada 2016 (Foto: Divulgação/FIBA)Clarissa e Cambage em disputa acirrada de bola na estreia na Olimpíada (Foto: Divulgação/FIBA)

O equilíbrio dava o tom da disputa. Jogando como ala, Damiris acertou de três e ampliou para 47 a 40. As brasileiras erraram arremessos preciosos, e as australianas cresceram na partida. Hodges fez uma boa infiltração e deixou tudo igual: 47 a 47. Érika e Iziane voltaram para a quadra para tentar frear as rivais, mas Penny Taylor deixou a Austrália na frente (49 a 47). As jogadas de muito contato físico vinham acompanhadas de faltas para ambos os lados. Iziane encostou no placar em um lance livre, e Clarissa converteu dois para virar: 50 a 49. Penny respondeu na mesma moeda, empatou, e Mitchell pôs as visitantes na frente. Iziane falhou a bandeja e, no contra-ataque, Erin Phillips acertou de longe para abrir cinco pontos: 56 a 51. A Austrália continuou a se impor e venceu o terceiro quarto: 57 a 53. 

O Brasil ficou abalado pela reação implacável das medalhistas de bronze em Londres e teve dificuldades em se reerguer. Com 10 pontos de vantagem no último e decisivo quarto, a Austrália ia controlando a partida. Mitchell mostrou pontaria afiada da linha dos três e acertou tornou a missão das anfitriãs ainda mais complicada. Penny Taylor repetiu a dose, fez 75 a 61, e as australianas deslancharam em um fim de jogo apático para as donas da casa. Não pareciam as mesmas do primeiro e segundo quarto. A torcida tentou ajudar como pôde, puxando um coro de: "Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor". Nádia Colhado entrou e tentou ajudar, mas os constantes erros de arremesso das brasileiras fizeram falta. Do outro lado, tudo se encaixou e as australianas passearam no fim, selando a vitória por 84 a 66.

Fonte: G1