No dia que fui ao forró

O lugar estava cheio demais, quase impossível você se movimentar sem incomodar a outra pessoa. O som era alto demais, impossibilitando manter qualquer diálogo com os amigos. 
As pessoas se divertiam, riam, cantavam e dançavam sem preocupar com nada, muito menos se estava fazendo certo errado, ou bonito ou feio. O importante é aproveitar o momento enquanto o efeito do álcool faria efeito no organismo. 
As músicas não fazia parte do meu repertório, justamente porque eu fico a analisar a letra, e bom, sabemos qual tipo de letra de música o forró tem. Então, enquanto ao meu redor a multidão acompanhava aos berros a letra, eu movimentava meu corpo. Apenas. 
Na paquera deve ser ágil. Se demorar só no olhar, já perde o interesse.
Não é um lugar que provavelmente retorne. E muito menos crio aversão a este tipo de festa. Cada um escolhe sua forma de ser feliz, de viver, por conseguinte a forma de diversão.
Eu continuo a querer e ansiar por uma som adequado que me faça ouvir e ser ouvido sem muito esforço. Continuo a querer e ansiar por músicas de Vinícius, Caetano, Belchior e vinho para acompanhar. <3

 

Pop