Tom da conversa de Dilma e Temer foi acertado antes por Renan e Wagner

Era hora do almoço e o chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, chegava à residência do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

No encontro, eles acertaram o tom da reunião que aconteceria no início da noite entre a presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer. Renan estava acompanhado de alguns peemedebistas.

Jaques Wagner saiu com a seguinte orientação da casa de Renan: para Dilma não tratar da carta enviada por Temer na qual o vice fez um desabafo.

Na reunião que aconteceu na noite desta quarta no Palácio do Planalto, a orientação foi seguida por Dilma e Temer. Foi uma conversa protocolar, como acertado anteriormente. O tema impeachment também foi evitado pelos dois lados.

A relação entre a presidente e o vice ficou desgastada depois de uma carta enviada a ela por Temer no início da semana, Na mensagem, Temer se queixava de ter sido tratado como um vice "decorativo" e enumerava momentos em que, no entendimento dele, foi deixado em segundo plano pela presidente.

Apesar do teor da carta, Temer negou que se tratava de um rompimento com o governo. O episódio, no entanto, ligou o sinal de alerta no Planalto, preocupado em não perder aliados neste momento em que tramita na Câmara o processo de impeachment.

Fonte: G1